A galáxia mais luminosa no universo mais próxima da Terra

+4 votos
5,715 visitas
perguntou 27 Nov, 2013 em Astrofísica por Fernando Fernandes AstroCurioso (1,970 pontos)
editado 27 Out, 2015 por Administrador

Saiu hoje uma notícia sobre a descoberta, supostamente inédita da galáxia mais luminosa no universo mais próximo da Terra. Diz na notícia que a galáxia é a galáxia IRAS 08572+3915, já conhecida há 30 anos. Se a galáxia já era conhecida, fico sem perceber afinal qual é o cerne da descoberta e da sua importância? Talvez a notícia, como já é habito, não esteja formulada e sem toda a informação.

Alguém pode esclarecer?

  

2 Respostas

+1 voto
respondida 28 Nov, 2013 por Guilherme de Almeida Super-Nova (24,890 pontos)
editado 27 Out, 2015 por Administrador
 
Melhor resposta

Imagine que está a ver uma lâmpada muito ao longe. Podemos medir o seu brilho aparente, traduzido na magnitude aparente, por exemplo 12. Mas, não sabendo a distância a que a lâmpada se encontra de nós, a anterior medição (referente ao brilho aparente) não nos diz se a referida lâmpada é de 15 W, de 40 W ou de 150 W.

Só depois de saber a distância e com base nessa distância e na magnitude aparente poderemos chegar à magnitude absoluta, relacionada com uma distância padrão.  Só com a magnitude absoluta é que podemos saber qual a potência da lâmpada. No caso da galáxia, só depois de se saber a sua magnitude absoluta é que poderemos comparar o seu brilho intrínseco com o de outras galáxias e descobrir se é mais ou menso brilhante do que as outras. Para isso é preciso conhecer a distância a que essa galáxia se encontra.

Na resposta à pergunta das "estrelas cefeidas" está a equação que permite relacionar a magnitude aparente com a distância e com a magnitude absoluta, para estrelas.

A incerteza nas distâncias astronómicas aumenta  para as grandes distâncias. Para estrelas a distâncias da ordem dos 70 anos-luz a incerteza com que essas distâncias são conhecidas é menor do que 2%. Para distâncias da ordem do milhão de anos luz, a incerteza excede 25%. Para distâncias ainda maiores, a incerteza poderá exceder 50%. Portanto, a magnitude aparente associada a uma distância incorrecta levará à determinaçao de uma magnitude absoluta também incorrecta.

Um refinamento no conhecimento dessas distâncias levará a um melhor conhecimento da magnitude absoluta e, portanto a uma melhor comparação do brilho da galáxia em questão com outras galáxias cujas distâncias se conheçam melhor. Tudo leva a crer que se melhorou  o conhecimento dessa distãncia e que a galáxia em causa, afinal, está mais longe do que se pensava atá agora. Para o mesmo brilho aparente, se a distância for maior, o brilho intrínseco será maior, levando a considerar a galáxia mais luiminosa do que se supunha até então..

+1 voto
respondida 28 Nov, 2013 por Ricardo Teixeira AstroCurioso (1,500 pontos)
editado 27 Out, 2015 por Administrador

Bom dia Fernando Fernandes.

Na mesma notícia vem o seguinte paragrafo: "A descoberta, explicou, é inédita e interessante porque as galáxias com enorme luminosidade são mais comuns no universo distante, a seis ou sete mil milhões anos-luz da Terra". Portanto trata-se de um fenómeno anormal no nosso Universo Local, e portanto um excelente objecto para estudar e compreender melhor a origem desta enorme luminosidade.

A galáxia já era conhecida há 30 anos, mas ainda não tinha medido a sua luminosidade.

Bem-vindo ao Astronomia Q&A, lugar onde poderá perguntar e receber respostas de outros membros da comunidade.

Para profissionais e amadores nos campos da astronomia, astrofísica, astronomia e astrofísica teórica, astronomia observacional, astronomia solar, ciências planetárias, astronomia estelar, astronomia galáctica e extra-galáctica, cosmologia, astrobiologia entre muitas outras.



Antes de doar leia o nosso comunicado

149 perguntas

188 respostas

159 comentários

172 usuários

Partilhar Questão

Contador de Visitas
...