+4 votos
64 visitas
perguntou por AstroCurioso (2.2k pontos)
Como é que a EEI viaja à volta da Terra? Ou seja, como é que a Estação tem tanta "energia" para viajar tão rápido à volta da Terra e porque é que ela não cai de volta ao planeta?
  

1 Resposta

+1 voto
respondida por Galáctico (26.4k pontos)
editado por
 
Melhor resposta

A velocidade em questão, adequada à órbita, foi-lhe comunicada na fase final do voo após o lançamento, e aprimorada — em direcção e valor absoluto — na colocação em órbita. Velocidades comunicadas pelos foguetões propulsores (V. nota final 1), e  depois pelos  foguetes correctores.

Para simplificar. considere-se uma órbita circular de raio r, tendo a terra massa M= 5,99 x1024 kg e com a medida do seu raio médio R= 6378 km.  A força centrípeta, necessária à curvatura da órbita, é dada por 

Fc=mv2/r e esta força centrípeta, no caso, é realizada pela força gravitacional Fg= G Mm/r2 , sendo m a massa do satélite, neste caso a EEI (ou ISS em inglês). A igualdade em questão pode pois escrever-se como

Fc=Fg   <===> mv2/r = G Mm/r2 que simplifica para v2/r = G M/r2 , pelo que a massa m do satélite é irrelevante ao cálculo. G é a constante universal de gravitação, que vale G= 6,67 x10–11 N m2/kg2.Assim sendo, a velocidade v, adequada a essa  órbita, é tal que

v2= GM/r, ou seja, v = raiz quadrada de (GM/r),

Como r se mede desde o satélite até ao centro da Terra, é claro que r = h+R (sendo h a "altura da órbita" em relação à superfície da terra.

Por exemplo, numa órbita a 800 km de altura, r = 800 km + 6378 km = 7178 km = 7,178 x106 m. Será então

v = raiz quadrada de ( 6,67 x10–11 x 5,99 x1024 / 7,178 x106 ) = 7460,6 m/s = 26 858,2 km/h.

Na verdade, a EEI está sempre a cair.  A curvatura da trajectória (da órbita para melhor dizer) é precisamente a medida dessa queda. Não cair seria seguir em linha recta segundo a direcção da tangente à órbita no ponto considerado.  A curvatura da órbita traduz a precisamente queda em relação a essa recta tangente.

Uma vez em órbita, o movimento da EEI quase não encontra resistência nenhuma àquela altitude,  A tais altitudes é quase o vácuo. Quase. Mas ainda há algumas moléculas e átomos (muitíssimo poucos) por metro cúbico, com as quais a EEI colide, reduzindo-lhe a velocidade segundo uma taxa pequeníssima.  Há perdas de energia cinética muitíssimo pequenas (quebras de velocidade), resultantes de uma pequeníssima resistência ao movimento, que terão de ser de tempos a tempos compensada com foguetes auxiliares, de modo a repor a órbita à velocidade certa e consequentemente à altitude certa. Se não se repusesse a velocidade de tempos a tempos, a EEI acabaria por cair ao fim de alguns anos, descrevendo uma demorada espiral descendente.

_________________

Nota final 1 –  Para reduzir as necessidades energéticas e o tamanho dos foguetões propulsores, aproveita-se a velocidade linear do próprio ponto de lançamento, devido ao facto de a Terra ter movimento de rotação. Essa velocidade linear é máxima no Equador terrestre, valendo cerca de 1670 km/h , no sentido de oeste para leste (no Equador, o raio de giração coincide com o raio terrestre [ver nota final 2]). Assim sendo, os países lançadores preocupam-se em fazer os lançamentos tão perto do equador quanto seja possível.  Lançando com posterior inclinação para leste (oriente)., aproveita-se a "boleia" do movimento de rotação da Terra, conseguindo um impulso inicial considerável, com redução do tamanho dos foguetões e dos custos de lançamento. No caso dos Estados Unidos da América, os lançamentos são feitos de Cape Canaveral, de latitude próxima de 28 ºN. Vejam-se estes links:

https://www.accuweather.com/en/weather-news/why-does-nasa-launch-rockets-from-cape-canaveral-florida/70000391

https://www.wired.com/2010/10/why-do-we-launch-rockets-from-cape-canaveral/

Na Guiana Francesa, as condições são ainda mais favoráveis:

https://en.wikipedia.org/wiki/Guiana_Space_Centre

No caso da Rússia, que não tem territórios tão para sul, os lançamentos são feitos a partir da base de Baikonur, de latitude próxima dos 45ºN, o que é menos vantajoso do que nos 28º, mas é sempre benéfico. Veja-se este link: https://en.wikipedia.org/wiki/Baikonur_Cosmodrome

Sobre Baikonur, veja-se este link:

https://pt.wikipedia.org/wiki/Cosm%C3%B3dromo_de_Baikonur

Nota final 2 – Num local de latitude L, o raio de giração vale R cos L. A velocidade linear devida à rotação terrestre, num local de latitude L, vale (1670 cos L) km/h. Nos pólos é evidentemente nula (L=90º; cos L=0), atingindo o valor máximo no Equador terrestre (L=0º; cos L=1).

NOTA: na expressão acima, R cos L, "R" é o raio terrestre médio, que podemos assumir como R = 6378 km.

Guilherme de Almeida

comentou por AstroCurioso (2.2k pontos)
Obrigado pelas sempre excelentes respostas.
comentou por Galáctico (26.4k pontos)
Obrigado.

Entretanto, acrescentei mais informação na resposta.

Guilherme de Almeida

Bem-vindo ao Astronomia Q&A, lugar onde poderá perguntar e receber respostas de outros membros da comunidade.

Para profissionais e amadores nos campos da astronomia, astrofísica, astronomia e astrofísica teórica, astronomia observacional, astronomia solar, ciências planetárias, astronomia estelar, astronomia galáctica e extra-galáctica, cosmologia, astrobiologia entre muitas outras.



Antes de doar leia o nosso comunicado

160 perguntas

202 respostas

174 comentários

207 usuários

Partilhar Questão

Contador de Visitas
...