+3 votos
86 visitas
perguntou em Observações Astronómicas por Astrónomo Avançado (6.5k pontos)
reclassificado por
Imaginando que é possível apontar um telescópio de forma certeira a uma estrela durante o dia, há alguma forma de prever qual a relação entre amplificação, abertura, magnitude da estrela, para que ela seja facilmente detectável na ocular em pleno dia?

Suponha-se que no dia 23 de Fevereiro de 2018, o bordo escuro da Lua oculta a estrela Aldebaran às 16:30 hora local. Aldebaran tem magnitude de +0.9, mas para ser observada com facilidade é necessário usar uma amplificação que escureça o brilho de superfície do céu abaixo do ponto em que o olho começa a detectar o ponto-de-luz da estrela. Assim, esta pergunta vem tentar ajudar a descobri qual seria o equipamento adequado para observar visualmente esta estrela desaparecer atrás da Lua.
  

1 Resposta

+1 voto
respondida por Galáctico (26.8k pontos)
editado por

A questão tem componentes fisiológicas e pessoais que impedem um valor exacto. No entanto, não é necessário imaginar «que é possível apontar um telescópio de forma certeira a uma estrela durante o dia». Já desde há mais de 15 anos que o equipamento amador medianamente avançado, quer na função  goto quer  utilizando círculos graduados digitais, permite apontar para uma qualquer estrela desde que conste da base de dados do sistema (que tem milhares de objectos em memória).

Sendo D a abertura do telescópio, em milímetros, e para mais no caso de uma estrela tão brilhante como Aldebaran, uma amplificação de D/2  deverá revelar a estrela. E com uma amplificação D ... 1,2 D ainda melhor, mas mais sensível à turbulência diurna. Um abertura de 150 mm (com um bom e longo pára-luz) facilitará as coisas.

Um bom teste é começar de madrugada, meia hora antes do nascer do Sol,  apontar o telescópio (o que ainda pode ser feito manualmente) para uma estrela ainda visível a olho nu e segui-la com motorização, amplificando D/2. Escolha-se uma estrela relativamente brilhante e bem alta no céu. A certa altura, a estrela deixará de ser detectável a olho nu e continuará a ser vista no telescópio. Com um ou outro retoque no seguimento, recentre-se a estrela. Entretanto o Sol já nasceu e continue-se a manter a estrela centrada no campo. Se a estrela começar a ser menos perceptível aumente-se a amplificação. Façam-se experiências com diferentes amplificações e com (e sem) filtros amarelos. Veja-se até quando se pode ver a estrela no telescópio. Se houver boa transparência atmosférica e pouca difusão, a estrela nunca se vai perder (insisto que se escolha uma estrela angularmente afastada mais de 45º do Sol).

Esta experiência dará imensa informação sobre o polinómio "observador, telescópio, atmosfera, amplificações, turbulência, acção de filtros, etc"). Num outro dia, tente-se com uma estrela menos brilhante.

Guilherme de Almeida

comentou por Astrónomo Avançado (6.5k pontos)
Obrigado Guilherme,

Eu não consegui experimentar mas a ideia era essa na própria noite, infelizmente houve contratempos. No dia da ocultação, um colega observou facilmente Aldebaran às 15:30 ao lado da Lua, com refractor de 100mm e amplificações de 26x e 83x.

Mas eu também quero realizar a experiência mais metodicamente e com outras opções. Albireo (cores diferentes) ou Mizar podem ser alvos interessantes para isto, no mesmo campo.
O meu buscador polar, deve ter uma amplificação de 10x, imagino, mas não sei dizer a partir de quando consigo ver a polar.

Bem-vindo ao Astronomia Q&A, lugar onde poderá perguntar e receber respostas de outros membros da comunidade.

Para profissionais e amadores nos campos da astronomia, astrofísica, astronomia e astrofísica teórica, astronomia observacional, astronomia solar, ciências planetárias, astronomia estelar, astronomia galáctica e extra-galáctica, cosmologia, astrobiologia entre muitas outras.



Antes de doar leia o nosso comunicado

162 perguntas

207 respostas

176 comentários

239 usuários

Partilhar Questão

Contador de Visitas
...